DESLIGUE O COMPUTADOR E VÁ LER UM LIVRO

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Fragmento

A D...
I
É uma história curiosa a que lhe vou contar, minha prima. Mas é uma história, e não um romance.
Há mais de dois anos, seriam seis horas da tarde, dirigi-me ao Rocio para tomar o ônibus de Andaraí.
Sabe que sou o homem o menos pontual que há neste mundo; entre os meus imensos defeitos e as minhas poucas qualidades, não conta a pontualidade, essa virtude dos reis, e esse mau costume dos ingleses.
Entusiasta da liberdade, não posso admitir de modo algum que um homem se escravize ao seu relógio e regule as suas ações pelo movimento de uma pequena agulha de aço ou pelas oscilações de uma pêndula.
Tudo isto quer dizer que, chegando ao Rocio, não vi mais ônibus algum; o empregado a quem dirigi-me respondeu:
-Partiu há cinco minutos.
Resignei-me, e esperei pelo ônibus de sete horas.
Anoiteceu.
(...)
Cinco Minutos, José de Alencar.

2 comentários:

tita coelho disse...

Eita menino!!!
gosto demais de José de Alencar, um belo post esse teu :)

beijos

Michel Queiroz disse...

grato tita... bjo